10 de julho de 2015

A mente petista

Carlos U Pozzobon

“Se a única esperança do niilismo reside no pensamento de que milhões de escravos possam um dia constituir uma humanidade que seria livre para sempre, então a história não é mais do que um sonho desesperado. O pensamento histórico foi libertar o homem de uma submissão para um paraíso; mas esta libertação demandava dele a mais absoluta sujeição à evolução histórica. O homem se refugia na permanência do partido da mesma forma que ele antigamente se prostrava perante o altar. Por isso que a Era que ousa clamar ser a mais rebelde que jamais existiu apenas oferece uma opção entre os vários tipos de conformismo. A paixão real do século vinte é a servidão”. (Albert Camus, L'Homme Revolté, p. 234).


Existem três fatores interligados que compõem o universo da mente petista. Discorrer sobre eles se torna um imperativo para o entendimento do Brasil em sua crise mais profunda desde a tomada do poder em 2002 pelo PT.

O primeiro deles corresponde ao negativismo. Como se pode explicar o somatório de fatores negativos que nos cercam? A vida social do homem se forma com o aprendizado para lidar com os fatos negativos que lhe ocorrem necessariamente como uma condição de estar no mundo . Os perigos do meio, a violência social ou da natureza, os maus tratos, a falta de solidariedade e de oportunidade, a rejeição social, as humilhações, as dificuldades impostas por serviços públicos degradados, a insensibilidade, e tantas pequenas coisas que nos levam cotidianamente a detestar os outros, vão se acumulando no espírito e servem de substrato para moldar uma psicologia específica.

Se em nossa biografia, o entendimento da sociedade conleva uma série infindável de fatos negativos que vão decantando um acumulado de decepções proporcional às dificuldades do meio em que estamos inseridos, o repertório mais popular e abrangente de crítica social capaz de abraçar os fatos negativos se chama marxismo.


Marxismo como contraponto ao Negativismo

O marxismo oferece uma explicação para os males sociais e uma solução profética para a sua superação. Para que o negativismo não seja conduzido para um fim escatológico em que presente e futuro se confundam, torna-se imperativo que ele seja contrabalançado por uma visão otimista do futuro. Este é o segundo elemento importante oferecido pelo marxismo: um antídoto para o suicídio individual cultivado na certeza de uma esperança profética, de uma libertação vindoura.

No profetismo marxista, sabemos que os males do capitalismo serão superados pelo advento de uma nova sociedade que libertará os homens oprimidos pelo egoísmo e crueldade de seus semelhantes. Para que o negativismo não se transforme em um pessimismo autodestruidor, ele precisa ser equilibrado com um futuro promissor, e só o marxismo consegue oferecer esta esperança por ser construído como uma plataforma de ideias edificantes. Isto lhe confere um enorme poder de expansão e penetração.


Niilismo

Chama-se niilismo a combinação de negativismo no entendimento da sociedade capitalista associado ao futurismo doutrinário moralizador reivindicado para uma nova sociedade, com outros ingredientes, entre os quais o sectarismo e o dogmatismo. O longo percurso da prática política vai absorvendo muito mais elementos para que setores sociais possam repeti-los sempre com o mesmo padrão.

O niilismo não é um sentimento novo. Afonso Arinos de Melo Franco, em Um Estadista na República, fala sobre o meio intelectual de seu pai Afrânio ainda no final do Império:

“Quando ingressou na Faculdade de São Paulo, distantes estavam os tempos da boemia literária, quando Álvares de Azevedo simbolizava aquela espécie de niilismo juvenil, atitude de frenético desespero em que homens de vinte anos se compraziam nos ambientes byronianos, envenenando o corpo com álcool e a alma com furiosas abstrações sobre o amor e a morte.

A geração estudantina da abolição e da República estava mais interessada pelo desabamento de velhos edifícios jurídicos e sociais e pela construção dos novos, que os deviam substituir. Naturalmente que tinham também os seus boêmios literários, como Bilac ou Raimundo Correia. Mas mesmo neles a boemia tomava um aspecto diferente, ligava-se ardorosamente às lutas do tempo, à vida real que em volta fervilhava.

Quando esta vida real apresenta interesse afetivo e dramático, como no tempo deles e no nosso, os melhores espíritos são atraídos para ela. O pélago dos dramas subjetivos, das especulações abstratas, dos sofrimentos morais gerados pelos movimentos espontâneos da alma, e não pela ação do mundo exterior, são consequências dos períodos de estabilidade social e política, de cristalização conservadora.

No advento da República os estudantes eram espíritos mais políticos e jurídicos que literários. A tradição político-jurídica do Império, e principalmente a admirável influência pessoal do imperador, no sentido de basear tanto quanto possível o Estado brasileiro num governo de opinião, facilitavam o desenvolvimento da vocação daqueles rapazes sem grandes obstáculos nem reações.

A vida de Afrânio é um exemplo disto. Foi naturalmente, sem nunca lutar com o meio, que ele pôde expandir seus dotes de jurista político. Coisa que a larga fase da ditadura republicana vedou aos moços da geração de 1930.

A geração de estudantes de hoje (1944) foi também chamada ao realismo porque o Brasil atravessa novamente uma fase aguda de possibilidades e experiências. Mas, ao contrário da de Afrânio, suas inclinações naturais pela vida pública são entravadas pela mais formidável reação que conheceu o país. Isto poderá dar aos seus componentes um caráter violento e revolucionário, que não conheceram os bacharéis da República, cujo espírito construtivo não se afastou nunca da prudência e da moderação.

A tendência dos moços para a violência de ideias e atitudes depende da reação que seja oposta à evolução natural do seu pensamento. Neste ponto o exemplo do tzarismo russo é demonstrativo. A fúria da sua reação formou, mais que qualquer outra causa, a mocidade revolucionária da geração bolchevista.

Inutilmente se procuraria fenômeno semelhante na Inglaterra ou nos Estados Unidos contemporâneos. Eis por que nos parece pesada a responsabilidade que assume no Brasil o poder que, neste ano de 1944, procura conter a evolução natural do pensamento político dos moços. Talvez os transforme numa geração de violentos revolucionários”. (p. 174)

O revolucionarismo de que fala o autor surge com a própria dinâmica das mudanças impostas pela revolução industrial do primeiro capitalismo e seus desdobramentos sobre as comunidades humanas. As transformações criadas pelas estradas de ferro, o telégrafo e os bens de consumo industriais produziram uma mudança qualitativa do ser humano que continua até hoje.

O futuro se torna ocupado pelo evolucionismo fundado em descobertas que não podemos prever, mas que sabemos que mudarão a sociedade e, com isso, abrem as consciências para a aceitação de novas ideias, muitas das quais extremamente pessimistas sobre o presente e altamente positivas sobre o futuro, consolidando assim a consciência niilista.

O pessimismo tem suas razões de existir quando o próprio mundo nos fornece dados comparativos sobre as assimetrias de desenvolvimento entre as nações e a incapacidade das sociedades atrasadas de se colocarem em marcha rumo ao crescimento pelo deteriorado modelo político que abrigam e o extraordinário quadro de rapacidade social dos modelos estatais no consumo da poupança local.


Perseguição à riqueza

Um terceiro fator, no entanto, tem sua origem no mundo ibérico e sua particularidade guarda uma importância capital na constituição do niilismo latino-americano: trata-se da visão da riqueza como pertencente, de direito e moral, a entes coletivos que a distribuem para toda a sociedade. A riqueza pertencente ao ente coletivo seria o valor moral primitivo mais renitente em nossa formação social. Estes entes foram no passado conhecidos como o Império, a Igreja, empresas públicas e uns poucos cidadãos delegados por ordem expressa do imperador.

Na moral medieval, a Igreja seria o instrumento social destinado a coroar o ascetismo e a virtude como valores fundamentais ao espírito humano, e a riqueza uma necessidade de todas as ordens religiosas para custear os encargos administrativos de sua imensa máquina de operações de condução das almas nas comunidades humanas.

Por esta moral, a riqueza em mãos privadas corria o risco de subverter esses valores e conduzir os homens à dissipação, à luxúria, à ostentação petulante, ao comportamento arrogante e à soberba. Contendo-se a riqueza individual acreditava-se controlar os vícios humanos.

Os evangelhos já pregavam a hostilidade aos ricos, e quando estes foram identificados com os judeus, o estigma permaneceu ao longo dos séculos. Para evitar a perda dos valores religiosos produzida pela riqueza, criou-se a Inquisição na forma de tribunal pelo qual somente o socialismo real viria a utilizar os mesmos métodos de obtenção da verdade.

No livro Inquisição e Cristãos Novos, Antonio José Saraiva nos dá uma ideia do anticapitalismo tricentenário que moldou a consciência brasileira:

“De todas as ocupações da vida, quase nenhuma é tão condenável – se a observarmos segundo as regras da religião – como a mais comum, quero dizer a das pessoas que trabalham para ganhar dinheiro quer pelo negócio quer por outros meios honestos. Os meios mais legítimos, humanamente falando, de enriquecer, são contrários não só ao espírito do Evangelho, mas também às interdições literais de Jesus Cristo e de seus apóstolos” (p. 207).

A importância do papel da riqueza na formação da mente petista tem sido negligenciada: no passado colonial, os excedentes da exploração açucareira eram postos em circulação através de empréstimos, mas a aplicação de juros para remuneraro capital era vista como o pecado da usura, e o combate e perseguição aos financistas judeus ou cristãos-novos era uma forma de saldar dívidas para os devedores e de apropriação de bens por parte da Igreja. A fúria contra o capital financeiro existe até hoje e encontra raízes profundas na mente petista provinda deste passado reacionário.

Antonio Paim foi o historiador que tentou decifrar a nossa história através dos valores que se opuseram ao capitalismo e mostra como a perseguição à riqueza privada foi capaz de colocar em declínio nossa superioridade mundial na produção de açúcar no século XVIII. Em seu livro, Momentos Decisivos da História do Brasil, ele traz à luz os valores de nosso passado obscuro: “A ação da Contra-Reforma se completa pela chamada pregação dos moralistas do século XVIII, que se incumbem de difundir no seio da elite a mais rigorosa condenação da riqueza. E assim se completa a nossa opção pela pobreza, que irá consistir numa das mais sólidas tradições da cultura brasileira” (p. 69).

Por este passado nada altruístico podemos ver como a Teologia da Libertação tem suas raízes na negação da riqueza produzida pelo empreendimento individual, e na defesa intransigente de todas as iniciativas que sejam mantenedoras da pobreza. A pobreza da população era conservada como relicário do exemplo da vida cristã autêntica e do desapego material, e sua similaridade com o socialismo real não poderia ser escondida, razão pela qual este segmento atrasado da Igreja tem ligações emocionais e identidades práticas com o socialismo.

Qualquer empreendimento suspeito de prosperidade logo arregimenta os doutrinadores da fé com os apóstolos do ateísmo em frente única. Nas eleições de 2010, o candidato do PSOL, Plínio de Arruda Sampaio, disse abertamente na TV que era contra a transposição do rio São Francisco porque a chegada de água no nordeste iria alterar as condições de vida da população miserável, tornando suas terras invejadas pelo agronegócio que logo iria comprá-las e tornar os miseráveis atuais em trabalhadores agrícolas. A igreja da teologia da libertação formou fileiras em sua causa com bispos liderando a mobilização contra a ameaça de abundância no nordeste.

Este terceiro fator – a noção de riqueza – se casou com os outros dois de forma a cristalizar os valores de nossa nacionalidade e sua enorme resistência à modernidade. Em todo o processo social, os valores nascem da herança cultural, e depois se internalizam nas preferências dos indivíduos, para mais tarde se materializarem nas suas escolhas.

A vitória eleitoral e a popularidade do PT na conquista do poder tinham os fatores combinados: crítica social impiedosa do passado, responsabilizando todos os males às pessoas identificadas como elites e não às instituições; grande esperança no futuro, atribuída aos poderes messiânicos do novo presidente e sua equipe, combinando crítica negativista com utopia voluntarista, e uma promessa de superar todos os males pela correção dos vícios do estado comandado por uma fração preparada com iniciativas qualificadas de “vontade política”, criando uma narrativa que iria servir para construir a mais espetacular crise social de todos os tempos: a inversão de todos os valores éticos e morais como jamais se viu em momento algum no Brasil.

Como provar que a riqueza entendida como um ente coletivo que deve ser distribuída para a sociedade faz parte de nossos valores primitivos que vão formular as preferências e depois as escolhas individuais?

Basta se observar os fatores ligados ao imaginário do brasileiro no tocante a riqueza: quase todo o brasileiro acha que o país é extremamente rico, mas, ao mesmo tempo, extremamente explorado por grupos gananciosos que fazem a riqueza desaparecer para o exterior misteriosamente por contrabando ou por esperteza, sendo a causa de nossa miséria.

Neste imaginário botocudo, a riqueza é um bem estático, que se acomoda em arcas cheias de ouro e que poderia servir a todos e não aos malditos capitalistas que a exploram. A visão da riqueza como uma montanha dourada transparece nos discursos das pessoas magnetizadas pelos metais raros como o nióbio e o petróleo. Não se entende a riqueza como um bem em circulação, mas algo com o qual se deseja apoderar-se por um ato de pirataria política, isto é, obtenção de um privilégio de exploração por meio de monopólio. O monopólio é visto como representante da nacionalidade e da moral pública do bem comum, não como um obstáculo à geração de riqueza.

Nem mesmo a água é vista como um bem em circulação. Depois que se criou a Agência Nacional de Águas no ano 2000 por iniciativa do Congresso, os integrantes desta agência começaram a espalhar a ideia de que a água iria acabar no mundo todo e, especialmente no Brasil, onde a extração do subsolo deveria ser acompanhada do pagamento de um imposto para que o estado estivesse suficientemente preparado para intervir quando de sua escassez. Que alguém possa acreditar neste bizantinismo pode parecer estupefaciente, no entanto está no discurso de seus membros. E a crise hídrica em SP permitiu avaliar que na opinião de muita gente estava estampada a noção de que a água se consome para sempre na natureza.

Agindo apenas pelos instintos do nosso arcaísmo histórico, as pessoas acham melhor guardar uma riqueza para o futuro do que explorá-la no presente sob o encargo de empresas privadas, mesmo sabendo que quase a metade voltaria para o estado na forma de impostos: o horror ao lucro, o ódio ao empreendimento privado é mais forte do que a obtenção de recursos através dos impostos gerados pela produção.

Quando se argumenta que a nossa riqueza petrolífera poderia gerar uma exportação diária de uns 5 milhões de barris, e um “government take” de uns 150 bilhões de dólares anuais, as pessoas começam a suar frio e o pânico se instala em suas mentes com a imagem de um país transformado em cemitério pela exaustão de seus tesouros naturais.

As novas ideias de perseguição da riqueza estão presentes na moral ecológica, onde se coloca o interesse de conservação da natureza em sua forma primitiva como mais importante e autêntica do que a utilização desta mesma natureza para o enriquecimento de particulares. O meio ambiente, o ambientalismo petista, é a fonte mais importante da geração de ideias perseguidoras da riqueza como uma manifestação reacionária do passado colonial.

Trata-se do princípio de que um particular não gera outro particular e que o coletivo não é formado pelo agregado de particulares, mas por outra instância que está acima e além dos seres individuais: o estado onipotente. Por esta mentalidade, somente o estado pode ser esta agregação orgânica dos indivíduos, e este sentimento arcaico ensinado nas escolas foi o responsável pela propagação e triunfo do niilismo petista.


Estado dentro do Estado: um exemplo

Qual a prova que correlaciona a riqueza com os valores sociais anticapitalistas?

Considere o sistema tributário brasileiro. Seu funcionamento talvez explique porque somos um povo atrasado e sem vias de se modernizar. O sistema tributário brasileiro constitui uma ditadura dentro do país exercido por uma elite profissional que se encarrega da arrecadação de recursos para as várias instâncias das administrações em caráter absolutista.

As decisões tributárias são feitas pelas comunidades de secretários estaduais, pelas secretarias municipais da fazenda e pelo complexo de entidades em volta da Receita Federal. Os tributos não são mediados pelo sistema legislativo e tampouco contidos pelo sistema judicial.

Portarias, normas, instruções e decretos são emitidos por estes órgãos apenas sob consenso da autoridade política executiva, e sua obediência tem o caráter de lei. Os impostos, taxas e contribuições não são elimináveis a menos que se possa declará-los inconstitucionais, e, uma vez em vigor, o judiciário não tem autoridade para questioná-los.

Quem define os crimes tributários são os próprios órgãos tributários, a quem se deve apelar e pelo qual se é julgado. Um imposto que foi declarado inconstitucional, como a taxa de lixo em São Paulo, nunca foi devolvido aos contribuintes. E quem estava em débito permanece na dívida ativa do município.

Trata-se do mesmo procedimento da Inquisição e dos processos de Moscou: no sistema soviético os procuradores acusavam, julgavam e executavam a sentença. Não havia a mediação de organismos separados.

A questão tributária não se limita ao recolhimento de tributos. Ela vai muito além da mera arrecadação. Seu papel principal consiste na certificação, na autorização e licenciamento, todos enfeixados em uma lógica de pureza que se comprova com um troca-troca de certidões em que um órgão demanda uma informação de outro órgão pelo qual o requerente deve ser o intermediário da transação e para cuja finalidade não existe nenhuma obrigatoriedade cronológica do órgão fornecedor, que dispõe de liberdade para requisitar quaisquer recursos que achar pertinente à consecução do interesse privado. E, naturalmente, estes recursos terminam na realidade do mundo subdesenvolvido: a indústria da propina.

A tão conhecida burocracia brasileira mereceria prêmios para universitários sequiosos por diplomas de doutorado. Explicar as motivações por trás de procedimentos que não existem em países adiantados poderia fornecer um entendimento muito mais acurado de nossa natureza social do que as centenas de teses acadêmicas pífias que são produzidas anualmente em nossas universidades. Ao longo dos últimos cinquenta anos, até ministérios foram criados para desburocratizar o país, mas seu resultado tem sido muito pequeno e circunscrito à obtenção de documentos pessoais.

Esta incrustação do mundo colonial na organização da sociedade brasileira tem implicações tremendas na formação do país. Funciona como um tribunal de exceção para industriais, pequenos empreendedores, comerciantes e proprietários rurais.

Pelo sistema tributário podemos entender como um modelo político se molda em uma sociedade onde toda a carreira política implica em patrimonialismo e no costume de colocar os interesses do estado acima dos cidadãos no discurso, e o estado a serviço dos seus apropriadores na prática. Que importância tem a gastança irresponsável dentro das casas legislativas se existe uma estrutura estatal que tem poderes especiais para resolver estes excessos?

O poder discricionário de um órgão arrecadador de estado implica em assumir a responsabilidade pela manutenção do próprio estado, e os organismos fazendários são incumbidos de resolver déficits, obter empréstimos e negociar dívidas, desde que não tenham o poder de dissolução do que possam entender como além e excedente do próprio estado, que neste caso está a cargo do sistema político.

O poder tributário como entidade autônoma dentro do estado brasileiro forma um dos itens da cesta que compõem os fatores de nosso PIB representar apenas 1/5 quando comparado a um país que passou pelo desenvolvimento capitalista independente. A musculatura deste poder está contida dentro de uma burocracia que funciona como uma estrutura asfixiante de toda atividade produtiva legal.

Os órgãos tributários agem como tribunais amparados por uma complexa legislação que obriga as empresas a um contingente enorme de funcionários e advogados para manter a ordem na contabilidade, e, mesmo assim, são frequentemente chantageadas por quadrilhas de fiscais com a capacidade de dissolução do aparelho comercial ou industrial criado a duras penas pelos empreendedores privados.

Como estes raids burocráticos sedimentados ao longo das décadas não passam para os livros de história, o saldo de destruição que se pode apurar consiste na verdade inescondível dos números da renda per capita. Nenhum país do mundo tem tantas micro, pequenas e médias empresas frustradas em poucos meses de vida: o empreendedor que inicia um negócio logo aprende que não está trabalhando para a sua atividade fim. Sua energia fica canalizada para ser um mandalete de órgãos burocráticos cujas exigências parecem ter sido inventadas para ser resolvidas nas propinas.

Existe uma relação entre a Inquisição e a Fiscalização que deveria ser explorada por nossos historiadores de ideias, ao estilo dos seguidores de Antonio Paim. Estas duas instâncias históricas da brasilidade estão sedimentadas na consciência niilista.

Como se pode desconfiar, trata-se de um sistema que não mantém relações com o capitalismo, já que não lhe serve de apoio, mas vive de sua própria rapacidade, e cuja estrutura se concilia com a dos regimes do socialismo real.

E, falando em socialismo real, considere este texto do século XVIII, escrito por D. Luis de Souza em carta ao rei de Portugal, em uma época ainda insuspeita de socialismo:

“... que os corregedores e juízes do crime fossem obrigados a dar ao presidente do paço e ao regedor das justiças todos os meses uma exata lista das pessoas que moram nos seus bairros, e de que vivem, e como vivem, das companhias que frequentam, e dos que de novo nele vêm habitar para não consentir neles nem ociosos, nem vagabundos, porque são os que matam e roubam por não serem conhecidos.

E como as mulheres públicas são pela maior parte a causa destes desatinos, não as sofrerão nas suas jurisdições, de maneira que o regedor das justiças lhes fará culpa das desordens, que nelas acontecerem. Da mesma sorte tomarão conhecimento dos pobres, para lhes não permitir que peçam esmola senão os que absolutamente, e de nenhuma sorte não puderem trabalhar. Isto se pratica em Holanda, onde não se vê um só pobre, nem às portas das igrejas, nem nas ruas, que embaraçam os que vão à missa, e os que por eles passam. A caridade é muito louvável, e o Evangelho a recomenda, mas não para que contribua para a ociosidade, de que resulta toda a espécie de vício”.

Controlar as pessoas em seus bairros passou do mundo medieval para o socialismo real incólume, e não espanta que esta moral seja defendida por marxistas e padres da teologia da libertação.E o que dizer da noção de bolsa família quando correlacionada com a caridade?


A crença no estado salvador

A mente petista, sendo herdeira destas tradições reacionárias, ainda precisa ser nutrida de novos elementos para se cristalizar em seu niilismo devastador da razão. O outro elemento consiste na forma de entendimento do estado como uma crença.

Para a mente socialista, o estado constitui a única estrutura social pela qual todos os problemas humanos podem ser resolvidos. Basta apenas que ele se molde de maneira a realizá-las. Se ele deixar de ser apropriado pela classe dominante e se transformar em prestador de serviços para os despossuídos, a sociedade vai se curar de todos os seus males. E toda a atividade política se reduz à luta da pureza dos representantes estatais contra a impureza dos agentes sociais privados.

Mas esta foi a base moral do medievalismo, e, no entanto, está vivíssima na esquerda brasileira. Basta lermos os jornais diariamente para acompanhar o desfile de transgressões efetuadas contra as normas estabelecidas pelo estado condutor. Existem épocas em que o gosto popular se especializa em difamar a classe política, mas o produto que eles elaboram, as normas e leis, são vistos como algo sagrado a que se deve obediência e respeito, nunca faltando uma dose de hostilidade moral a todos os seus transgressores.

O estado tem sido o aporte por onde se realiza o patrimonialismo e a carreira mais segura para ascensão social em um país assoberbado por crises periódicas. Na medida em que o petismo se transforma em ideologia do estado, ele tem o papel de difundir para a sociedade uma narrativa moral idealizada na questão dos direitos humanos, nas relações trabalhistas e nas obrigações sociais que são conduzidas de forma Inquisitória pela responsabilização solidária de todas as empresas privadas no ciclo de produção.

Estes valores contaminaram a ciência jurídica, onde diariamente se vê exemplos destas aberrações: um fabricante doméstico de camisas que tenha irregularidades em suas relações trabalhistas e tributárias, arrasta para o representante e distribuidor da marca o peso de sua culpabilidade.

A combinação de niilismo e estatismo tem mais efeitos arrasadores. A consciência petista funciona como construtora de narrativas apropriadas ao uso das circunstâncias, e recusa toda e qualquer experiência prática ou ponderação fora de sua lógica artificial. E quanto maior se torna a ruptura entre as evidências da realidade e os argumentos de sua narrativa, mais entorpecedores se tornam os argumentos.

O desprezo para com o mérito é o caso mais eloquente. Já se disse no século XIX que os povos que desdenham do mérito são aqueles que nunca se sentiram ameaçados.

O altruísmo embevecido pela justiça social cria uma rede de solidariedade que não existe em pessoas com ideias independentes. Parece que a mente niilista exige demonstrações reiteradas de solidariedade para se sentir autenticada em cada conjuntura adversa. São as únicas pessoas que, quando criticadas pessoalmente, recorrem a abaixo-assinados de apoio e desagravo. Trata-se de um psiquismo coletivo.

Certas florações psicossociais são próprias do niilismo: a questão da imigração é uma delas. Todo o niilista acha natural que um país rico seja invadido por imigrantes, na maioria das vezes sem qualificação para o mercado tecnológico, pelo simples motivo de que a solidariedade humana se alia ao propósito de subversão da ordem social, uma vez que uma sociedade rica contendo uma parcela muito pequena de pobres, ao aumentar seu contingente de pobres invasores, cria uma base de apoio para grupos radicais.

Um dos elementos mais comuns do niilismo consiste em ser completamente insensível à tecnologia. Parece que se trata de uma síndrome secundária do estatismo. Todos os anos temos melhores automóveis, celulares, fármacos, bens de consumo, etc. Mas isso não os comove a achar que o mundo capitalista esteja melhorando.

Todos querem os benefícios, mas não as condições que organizam a sociedade tecnológica e fazem com que contingentes inteiros de profissionais se dediquem ao esforço tecnológico de fazer a vida melhor para a humanidade. Parece paradoxal que frente a todas as demonstrações de progresso seguidas pelos países asiáticos, com diferentes empuxos ideológicos, aquele esforço não seja sequer discutido entre os integrantes de uma agremiação que controla o poder no Brasil há mais de 12 anos. A confissão de que são consciências preparadas apenas para parasitar o estado pode ser vista pela relação que eles mantêm com o embalo das revoluções tecnológicas sucessivas que vamos acumulando década após década.

Um indivíduo niilista é capaz de ser salvo da morte em um hospital por um medicamento israelense de última geração e na semana seguinte estar nas ruas defendendo uma manifestação do Hamas pretensamente representativa dos palestinos. Esta capacidade de ser incoerente se explica pela rejeição ao individualismo sem tutelas.

Como o capitalismo produz e distribui itens que exigem dinheiro, a mente niilista aspira a obtenção de todos os bens pelo simples direito de cidadania. E este benefício não sendo possível para todos, só pode ser concedido pelo estado que pratique a discriminação pelo uso de um critério elitista, onde uma nomenklatura tenha estes benefícios pelo direito autoatribuído de representar a classe proletária, o que explica subsidiariamente a rapacidade de tais agremiações políticas quando no poder.

De um lado, o desprezo pela meritocracia da sociedade tecnológica capitalista: de outro, a entronização do mérito como submetido à posição do indivíduo na estrutura política do partido. A consolidação do estado como uma crença provém de uma distorção dos princípios básicos de economia social e da impotência frente à diversidade do mundo científico e tecnológico, quando não da inadequação ao conhecimento gerada nos primeiros anos de uma escola calamitosa que deformou as novas gerações para qualquer possibilidade de abstração intelectual. Por trás de um niilista existe um histórico de frustrações que somente uma utopia futurista pode compensar.


Sectarismo

O resultado de tudo isto na mente humana consiste na criação de um dos fenômenos mais notórios dos nossos tempos: o sectarismo político. O sectarismo se consolida na consciência como uma forma de pensar extremamente hostil às ideias que estão fora da bitola das pregações políticas e que pertencem em geral a adversários odiados.

O pensamento alheio é sentido com hostilidade, como um perigo que é preciso esconjurar com as narrativas de demonização preparadas para servir de alívio às próprias contradições e bode expiatório para ocultação dos fracassos. Não existem escrúpulos com a verdade. As pessoas são tomadas de prejulgamentos preparados por publicistas partidários e perdem a capacidade de investigação independente.

O sectarismo atua como uma aversão totalizante representada em um conjunto de ideias identificáveis com uma ideologia, em um partido político, ou em uma organização social.

O sectarismo funciona na articulação de narrativas adequadas ao enfrentamento das contradições. Por exemplo: como as notícias dos jornais são frequentemente contrárias às opiniões de um grupo político, este precisa desqualificá-las em bloco, sem que necessite responder a cada caso. Para isso, usa o argumento de que se trata de uma imprensa burguesa que atua em consonância com a classe dominante. Tudo se passa como se a burguesia possuísse um comitê central que deliberasse as “verdades” que passariam a circular pelos jornais sob seu domínio. Trata-se de uma projeção de seu próprio comportamento como grupo para o resto da sociedade.

A desqualificação generalizada dispensa a necessidade de enfrentar cada argumento em separado e, ao mesmo tempo, estreita os laços de coesão de um grupo com sua doutrina, onde os eventos são tratados como necessariamente enquadrados nas constantes reiterações de suas premissas: a luta de classes, os interesses das classes dominantes, a corrupção dos empresários, a indiferença do capitalismo pela pobreza, etc.


A crítica da sociedade como projeção de si mesmo

O descontentamento dos adversários com a corrupção praticada no governo petista como política de cooptação é respondido por seus porta-vozes como se estes críticos odiassem os pobres, ou se sentissem incomodados pela presença cada vez maior da população de baixa renda nos aeroportos do país.

De fato, existe uma relação freudiana de desejo com aquilo que se critica nos outros quando estas críticas ultrapassam as raias dos fatos e se estendem a uma confissão de ódio subjetivo. Quando lemos o livro A Nomenklatura de Michael Volensky verificamos que na antiga União Soviética, existiam salas VIPs para os dirigentes (de qualquer nível) do partido e da burocracia soviética não apenas em aeroportos, mas também em estações ferroviárias.

Os dirigentes eram recebidos com carros e motoristas para os conduzirem aos seus destinos. Não se misturavam com o povo, em nenhuma hipótese. Até para descer dos aviões havia o ritual de separação de dirigentes dos demais tripulantes. Além de lojas e supermercados particulares para as famílias. Mas quando caíam em desgraça, eram frequentemente acusados de ter perdido a “ligação com as massas”.

“Em 1621 o frade inquisidor de Lisboa dizia que eram Judeus não só os que praticavam o judaísmo, mas também os que contrariavam o Santo Ofício. Esta declaração remete aos nossos tempos de ortodoxia em que se diz que são contrarrevolucionários todos os que se opõem ao governo revolucionário” (Saraiva, op. Cit).

O sectarismo permite entender como certos tipos de crítica emanam de uma consciência que psicopaticamente deseja usufruir aquilo que denuncia nos adversários como uma perversão moral. Um desejo secreto de luxúria se esconde por trás não apenas dos miseráveis de Joãozinho Trinta, mas também dos ideólogos da miséria como podemos constatar do crescimento dos bens materiais da elite petista.

E a necessidade de esconder o fracasso do presente consiste na obsessão de criticar o passado com todas as falsificações possíveis e inevitáveis para uma mente contaminada pela fé ardente no coletivismo.

Para provar que o espírito de colaboração é muito mais poderoso em países onde a cultura do individualismo é preponderante, bastaria levantar os dados do sucesso de empreendimentos criados com a adesão voluntária de participantes, como os milhares de softwares de código aberto, a Wikipédia e tantos outros. Não por acaso, a cultura do individualismo sempre foi prestigiada como sinônimo de liberdade, pois é dela que emana o empreendimento independente, cujo sucesso está marcado pelo apoio espontâneo e sem tutela de sua comunidade.

Em suas memórias escritas por volta de 1840, Antonio Moniz de Souza reclamou ter percorrido oito vezes o trecho do território entre a Bahia e o Rio de Janeiro, sem nunca ter recebido qualquer homenagem pelo seu trabalho como farmacêutico naturalista e pesquisador de nossa flora. Sua coleção botânica foi entregue – depois de aposentar-se –, a um ministério e ficou rolando por anos a fio pelas repartições até ser destruída pelas traças e jogada fora.

No entanto, um estrangeiro com recepção oficial pelo Império e recomendação de seu respectivo embaixador, foi agraciado com todas as distinções pela notável proeza de ter feito o mesmo caminho que o brasileiro uma única vez.

Esta é a diferença entre ser um empreendedor individual e um representante oficial em um país onde o status de ser independente não tem significação alguma em nosso mundo político e institucional.

O fracasso do PT como partido e ideologia não se limita a um fenômeno isolado e pertencente a um grupo de ativistas desmiolados. Têm razão os críticos que o equiparam a um fenômeno social genuinamente nacional. O PT representa o conglomerado mais vasto de um modo de pensar calcado em valores arcaicos que estão em todas as instâncias de nossas instituições degradadas pela ignorância de querer mudar os outros sem mudar a si mesmas.

Não é necessário perguntar às professoras que fazem o magistério nas ruas se elas se acham responsáveis pelo declínio de nossos índices de educação para termos as respostas de nossas calamidades históricas da qual o petismo foi o mais colossal acolhedor, e do qual o Brasil terá que carregar como mais uma herança maldita ao longo das décadas que virão.

A longa permanência no poder das ideias petistas serve de aferição crepuscular de uma cultura imersa em um obscurantismo cultivado nas cátedras.

Estaria o Brasil condenado a reviver uma nova expulsão dos jesuítas como fez Pombal em Portugal, na segunda metade do século XVIII, como única forma de permitir que as ideias iluministas transitem em nosso território?

Só o tempo dirá se nossa crise será capaz de criar a unidade necessária para enfrentar os maiores inimigos da inteligência e do saber: o professorado petista herdeiro de nosso passado jesuítico adaptado ao niilismo marxista.

Em todo o caso, o legado do petismo não desaparecerá tão cedo de nossa sociedade. Ele persistirá enquanto o estado brasileiro conseguir se manter à margem da modernidade e impedir que a sociedade desabroche em todo o esplendor de seus talentos esbulhados.

O socialismo brasileiro tem suas raízes no mundo jesuítico e numa interpretação do cristianismo ainda coagulado pela moral medieval. Enquanto estes valores não desaparecerem, o populismo pode mudar de nome, mas sempre vai nos assombrar com sua tragédia de decomposição moral e colapso econômico.